A classe media do Brasil contemporâneo


( Este é um desabafo contra  aqueles que não acreditam no Brasil. Esse povo pessimista que fica emporcalhando a paisagem tão bem vendida lá fora, que reflete o país das oportunidades e das realizações).


O verdadeiro retrato da felicidade está na beleza dessa gente, com seus calçados caros e suas roupas de marca, com suas mansões de pé direito alto, de caros balaustres, piso travertino na cor madrepérola, sob um teto solar que de noite traz o bailar das estrelas como companhia.
Crianças que gozam de uma saúde de aço, com suas barrigas bem alimentadas, cujo prato dispõe de espaço pras frutas da época, hon-maguro e trufa branca.  Uma mesa sempre farta, geladeira abarrota de alimentos, yogurtes e sucos  dos mais variados sabores.
Uma alimentação como essa só poderia resultar no belíssimo desempenho escolar que essas crianças têm. A de vestido vermelho já sabe o que fará com seu diploma de doutorado. A mais tímida, na porta da mansão, nos observa e avalia nossa descrição com seu olhar atento que só uma boa médica poderia dispor. A mãe, não precisa nem dizer, é PHD em Química, formou-se no exterior e hoje deixou as atividades acadêmicas em segundo plano, decidiu dedicar-se ao universo da arte e ao glamour dos vernissages, aliás, essa é uma rara aparição dela no seio familiar, ao lado de filhos e filhas tão bem encaminhados na vida que fazem com que ela tenha esse sorriso inquebrantável no rosto.
A criança encostada na parede é a que optou pela carreira de modelo fotográfico, faz pose até para foto de família. O que está no colo é um gênio, antes de completar o primeiro ano já consegue observar até os espaços não evidenciados e, claro, como todo gênio é cheio de modéstia, deixa de encarar a lente por ser o mais egocêntrico do grupo, deixou de mamar ainda cedo, não porque não houvesse leite, mas porque julgou não mais precisar. Leite materno é para fracos. Aliás, essa é uma máxima nessa família e em todas as famílias abastadas da nossa sociedade, deixam de amamentar cedo, por opção, contrariando aquelas campanhas canastronas que aparecem na televisão, ou melhor, no telão que eles veem na sala de estar. São campanhas que só servem pra países subdesenvolvidos, não esse. Aqui, pode-se deixar de mamar, existem outros tantos alimentos, à disposição de todos, que nutriram os desmamados sem maiores problemas.
Ao fundo, uma bananeira, talvez a coisa mais sem nexo nessa fotografia. Afinal, o que faz uma bananeira, fruta comum entre os pobres, numa fotografia que reflete a beleza de uma rica família brasileira? Uma falha do fotógrafo, sem dúvida. Prefiro esquecê-la, esse detalhe me faz lembrar os tempos em que meu país tinha pobreza, que pessoas passavam fome, eram doentes, analfabetas e numerosas; não tinham tratamento médico, dentário, nem escolas e nem comida. Como disse, prefiro esquecer. Como é lindo ser classe média. Viver num país em que o cenário comum é a fartura expressa no olhar de famílias bem-nutridas e cheias de saúde pra dar e vender e fazer gringo morrer de inveja.
 
Obrigado meu Brasil, obrigado presidenta, nossos governantes de hoje e de ontem. Obrigado por nos fazer acreditar em imagens como essa que tentei retratar, uma imagem do rico e próspero Brasil do presente

desse filho que não foge à luta!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para fazer seu comentário, por gentileza, deixe seu nome seu e-mail. Dê sua opinião sobre os temas e, ou, o blog. Muito Obrigado!