Invisível íntimo ( escrita automática)

"No mundo cinza, negrume lapso verde cinza, tão cinza quanto o medo sobre a sobra que o mundo imagina, pergunto:

De quem é?
Para quem é? Sol, Terra e nada mais me é caro, raro, sarro, sadismo;
sou tão pérfido quanto o iluminismo, e aí o medo que outrora abraçara-me na morada silenciosa agora jazia mágica nesse lápis de sangue, tormentas, trombetas, a morte não anuncia o mito da clareza, ela torna real e físico o labirinto do medo; tão cedo, quero gemer minha angústia faminta, inacabada, a fome do servo sem senhor, do escravo sem chibatas, do índio sem padre, do operário sem ponto; o medo e a fome de não ter medo; apenas acrescento a estes rabiscos meu mito  de não temer o invisível”

Ari Mascarenhas - Itapecerica da Serra - 2013

3 comentários:

  1. Uma viagem metafísica destruidora!
    B.Crown

    ResponderExcluir
  2. que porra é essa???????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Anônimo, isso se chama escrita automática: Uma atividade que trata a fluência poética da maneira mais nativa que ela possa emanar de cada um de nós. Está longe de ser o termo que você usou, fique tranquilo.

      Excluir

Para fazer seu comentário, por gentileza, deixe seu nome seu e-mail. Dê sua opinião sobre os temas e, ou, o blog. Muito Obrigado!